Backstreet Boys, nostalgia e a síndrome de Peter Pan

Em 1996, repetindo a fórmula dos Menudos, New Kids on The Block e outros do tipo, eis que surgiram os Backstreet Boys, Spice Girls, N’Sync, 5ive, etc. A idéia era simples: garotos e garotas jovens, bonitos, amigos, interessantes e charmosos, com músicas para agradar qualquer menininha (na maioria, sem preconceito aos caras que curtem. Aliás, dou moral para os que curtem!) novinha ainda sem gosto musical definido, falando basicamente de amor e amizade. O mercado era extenso e essa fórmula foi eficiente, movendo pessoas no mundo inteiro e vendeu que nem água no deserto.

Bom, fato é que nessa época eu estava com uns 8 ou 9 anos e, como a maioria das outras meninas dessa idade, fiquei completamente apaixonada pelo Nick Carter e ouvia Backstreet Boys e Spice Girls diariamente, em volume alto. Sabia de cor as danças, a ordem das músicas no CD e colecionava pôsteres, fotos e fitas VHS. Resumindo? Eu ajudava a fórmula a dar certo, girando capital e patrocinando a banda a continuar existindo. Digamos que eu e mais outras tantas crianças indefesas NOOT ajudamos a pagar os excessos de alcool e drogas, as consequentes várias internações em clínicas de reabilitação do Nick e do A.J., sem falar nos projetos solos fajutos de cada um, as viagens, os luxos, os presentes para a Paris Hilton, as operações de coração do Brian, os clipes sempre bregas e por aí vai.

Ok, e daí? E daí que, alguns anos depois (15?), eles resolveram agradecer as fãs brasileiras de alguma forma: finalmente vindo ao Brasil e cantando os hits que tanto embalaram nossos sonhos com eles mesmos, nos proporcionando aquela sensação gostosa de nostalgia, algumas gotas de suor na bagunça e nos fazendo sentir como adolescentes, outra vez. Algumas horas em cima de um palco, só sendo gatos, charmosos, interessantes, porém não mais jovens. Fato é que a turnê têm sido bem sucedida(aparentemente) e, os meninos, e todo mundo por trás dessa jogada, estão garantindo uma grana para poderem, mais uma vez, usarem drogas, frequentarem clínicas de reabilitação e sustentarem seus luxos.

Mas…quem liga? Daqui a dois dias vou estar na frente deles em um palco, gritando músicas que eu ainda lembro de cor, achando todos velhos porém lindos, com amigas que eu adoro e realizando um sonho de quando eu era adolescente! E o melhor: isso tudo por apenas 100 reais! Não que dinheiro esteja caíndo de árvore, mas não é todo dia que eu vou ver o Nick Carter o primeiro amor da minha vida de frente! E, independente do que digam por ai, eu estou é muito feliz, empolgada e ansiosa, ouvindo o dia inteiro!

Ps. Prometo que posto para falar como foi a sensação de entrar em uma fonte rejuvenescedora! <3

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “Backstreet Boys, nostalgia e a síndrome de Peter Pan

  1. juscilene

    AMEIIIII friend…
    e lá estaremos, relembrando a nossa infância e adolescência, de frente aos nossos primeiros amores (kevin, você vai fazer falta pra mim!). Em frente ao palco…. aiaiaiai
    Ahhh, amei o post so pra variar!!!
    Contando os segundos para o show!!! <3

  2. AMEI O TEXTO, SINTO O MESMO
    RS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s