Arquivo da tag: escrever

Good places to visit.

Olá! Há tanto tempo não venho aqui escrever! Mais tempo ainda não passo nos meus blogs favoritos para acompanhar as novidades! Pensando nisso, mesmo exausta de tanto carregar sacolas all day long, resolvi tirar o atraso. Aqui vão algumas coisas legais e interessantes que encontrei via os meus blogs favoritos. ;) Divirtam-se!

1. What Type are You?

Um teste muito divertido e bem feito. Eu sou a Dot Matrix (não tinha gostado muito, mas a explicação me convenceu muito!).  E o barulho da cadeira do moço me irritou muito, então não demore a responder as questões. Fácil, rápido e divertido. Ah! E a senha é: character.

2. New Year’s Resolution.

Resoluções de ano novo variadas, MESMO. Tem de tudo e é divertidissímo!!! Vale a pena, para passar o tempo.

3. The Designer’s Tongue.

A língua do designer: o máximo! :)

4. Magazine Library.

Várias revistas fodas disponíveis on-line para consulta. O melhor são as capas. É excelente para pesquisa. ;)

5. Alphabet, por Paul Thurlby

6. Campanha da Dolce & Gabbana com Madonna!

2010 promete!!!

7. Sonho de consumo habitável.

Pois é, nesse tour por blogs, encontrei minha casa. Ainda hei de morar numa dessas. Mais imagens desse paraíso no link.

8. Lady Gaga & MIKA & Jude Law!

Primeiro, recebi o vídeo vi, babei, emocionei e apaixonei.

Segundo, achei a música, ouvi, dancei, me joguei, twittei e baixei.

E por enquanto, é só. Estou preparando um review do Fashion Rio, que terminou hoje. Pelo o que eu acompanhei, ele foi um sucesso! :) Later.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

o mundo em mim…

enquanto enrolo para terminar mais um trabalho, resolvi passar e postar alguma coisa além de links (fantásticos!) e imagens (maravilhosas!). na verdade nem tenho muito o que dizer, mas acho que sinto saudade de escrever, mais que isso, de escrever bem. modéstia a parte, houve um tempo em que eu me orgulhava do que escrevia. há uns dias, me flagrei lendo textos antigos e me identificando com eles, assim, como quando você lê alguma coisa e acha que escreveram para você, sabe? mas e se quem escreveu foi você mesmo, como fica? Um pouco pra lá, um pouco pra cá, me equilibro entre o eu-hoje e o eu-ontem, tentando imaginar como serei no próximo dia.

acho que nessa confusão temporal, deixei cair em alguma parte do percurso o meu gosto pelas letras escritas. talvez tenha sido a decepção pessoal com curso de letras, o que não vem ao caso agora. mas é verdade que no começo devorava livros naquela biblioteca como uma louca obsessiva em procura de si mesma. em cada linha riscada, parágrafo assinalado com um asterisco, um sorriso de felicidade extrema como se aquele fosse um parafuso importantíssimo para toda aquela construção de mim. mas nunca me senti satisfeita. acho até que exactamente por não me sentir assim, em algum instante larguei tudo e fui tentar viver pra ver se, assim, descobria alguma pista importante de toda aquele caos.

nisso tudo, o tempo passou: meu cabelo creceu; não passo mais meu tempo livre com amigos no bar; também não sei mais o que é me sentar no milharal e conversar bobagens com aqueles malucos – digo isso não como forma ofensiva; já nem lembro mais o que é ir para a belas flertar com estranhos, porém heteros (será?!); mas também sinto falta dos assuntos intermináveis com certos amigos de verdade. parece que andar por aquele campus agora, só para procurar um lugar para almoçar, sempre com pressa. agora coleciono cadernos vazios ou meio acabados, e isso é tão estranho! como se meu tempo já não tivesse tempo para mim…

mas ai já é pano para outra manga, ou seja, papo para outro dia.

só passei mesmo para dizer que hei de tentar escrever mais.

(valeu pela dica, tulio! : ))

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

absolut buenos aires

minhas pernas doem, meus olhos fecham, meu corpo pede descanso. há onze dias atrás eu embarcava no avião para Buenos Aires, Argentina: disso todo mundo já sabe. o que falta dizer é que a viagem foi excelente, apesar dos pesares. pesares? digamos assim que tivemos de tudo, como se o universo conspirasse contra. de carteira roubada á nota falsa, passando por aeroporto errado e festas caras e ruins. disso tudo, aprendemos a ter paciência, bom humor, animação e sim, a andar com mapas nas mãos. como já imaginávamos, é impossível fazer uma viagem com oito pessoas sem que desentendimentos aconteçam: de fato aconteceram. uns viraram piadas, outros não tiveram tanta graça. no entanto, fez-se necessário unir-se aos mais próximos para seguir a programação conveniente. tivemos horas e programas para cumprir, definitivamente os 11 dias não foram suficientes para curtir a cidade como desejávamos, mas foi o tempo necessário para nos deixar com a vontade de voltar, o mais logo possível.

voltei com dicas, lembranças, casos, fofocas, textos, papéis, casaco, tênis, camisetas, adesivos, fotos, dores, sorrisos, (…), mas, de verdade? voltei com saudade. dentro do avião de volta, enquanto parávamos praticamente em todo sul brasileiro, uma dor, quase silenciosa, veio me acordar: queria voltar para minha casa, ver meus pais, minha irmã, meu namorado e minhas amigas. queria contar tudo que aconteceu e me sentir em casa. e, por outro lado, queria continuar a me sentir turista, surpreendendo sempre com as coisas mais comuns.

Cada pedaço da viagem, valeu a pena: cair nas roubadas dos guias; atravessar a 9 de julho de manhã cedo e ver o dia nascendo; atravessar a 9 de julho de madrugada, com as luzes da cidade e o vento gelado batendo no rosto; falar português e ninguém entender nada; misturar línguas que sei – e que não sei – e conseguir me comunicar com gente do mundo inteiro; receber o carinho gratuito dos argentinos ao saberem que somos brasileiras; ver o quanto eles podem ser esnobes e mal educados; cantar alto quando uma música – velha – brasileira tocar na festa; experimentar as delicias argentinas – vou sentir falta das empanadas, de verdade! -; entrar na Bond Street e só ouvir o barulho das máquinas de tatuar (adoro!); tomar quilmes e stela artois de 1L sentadas na grama; atestar que o melhor churrasco não é o argentino, e sim o brasileiro; dividir o preço das coisas pela metade e ver que é tudo quase de graça;  tomar vinho no parque e sair bêbada atrás de um banheiro; ir ao malba e sentar em um banco/obra de arte; sair do restaurante do malba após ver o preço das coisas; ter certeza que os taxistas brasileiros são mais simpáticos, educados e competentes do que os argentinos; responder para um jogador do boca que sou mais pelé do que maradona; tirar foto com cara de nojo do lado da estátua do maradona, logo depois de pular na sua estrela, tudo isso dentro do estádio do boca juniors; ensinar todos os nossos passos de dança pessoais á um australiano muito gente fina; reencontrar um colega de colégio dos velhos tempos e ver que nós dois melhoramos muito; ficar até ás 7 da manhã dançando reggaton (é assim?) com todas as pessoas do salão; tomar mil e uma doses de tequila com gosto de vanila (…). aliás, Argentina se resume em Vanilla e Jamón!

Enfim, acho que o resto vou contar aos poucos. Ainda fico devendo os posts de dicas, dos restaurantes ás festas. E as fotos? Já estão todas no Picasa: absolutbuenosaires

DSC03379

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Pronto!

Tudo já arrumado: não achei que fosse terminar a mala e os trabalhos nunca! Mas terminei, com aquela silenciosa sensação de ter esquecido alguma coisa. Talvez, esquecido não, mas a sensação de deixar alguma coisa para trás. Talvez um pouco de mim. Na verdade, pode ser que seja só receio. Algum medo calado de quem tem uma curiosidade extrema pelo o que está por vir, mas deseja que, ao voltar, as coisas estejam ainda melhores: mais calmas e mais deliciosas. Se sofro  normalmente de saudade, não quero nem ver como vai ser. Levo comigo, amigas lindas, companheiras, divertidas e que são tudo para mim. Mas também queria os beijos, abraços e apertos do meu namorado, a companhia alcoólica do Jow, as tiradas da Punk, a risada da Iara, o abraço da Porca, as apostas da Macaca,  a fofice do Gui, a unicidade do Matheus, as frescuras da Aninha, as frases clássicas da Laru, a internacionalidade da Lets, os papos longos e intermináveis com o Duende, (…), sem falar em tantos outros amigos, perfeitos. Ah! Jarcela, Gabi e Sarah, esperamos por vocês! :)

Pois é, mas estou tranquila. Tranquila como quem conseguiu terminar sua mala e está pronta para entrar em um avião e se divertir ao máximo durante os próximos 11 dias. E, assim que voltar, estarei ainda animadíssima para sentar e contar tudo, detalhe por detalhe, foto por foto. : )

Bom, é isso. Se conseguir conectar por lá, prometo um post, se possível, com foto. De todo jeito, em mãos tenho  um moleskine, para anotar tudo que vier a cabeça, ou só lugares interessantes mesmo. Um beijo para quem fica. E vou agora dormir por que acordo ás 5, para conseguir tomar um banho e ir linda e glamurosa para o aeroporto!

tumblr_kpwg2zZl9R1qzyrwvo1_400_largePs: Amor! Te amo, tá? ; ) Ah! e juízo!

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

6.

20090127182307no meio de tanta confusão pré-viagem, consegui um desconto. em troca? um trabalho lindo, maravilhoso, surpreendente e impecável que deveria se tornar tese. humpf!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

out of control

cheguei em casa afim de escrever 1/2’s palavras sobre amizade, cumplicidade e presença. mas depois de alguns recentes acontecimentos, prefiro calar-me. acho que, depois de um fim de semana cheio – e bom, que fique claro! -, eu só quero um tempo pra pensar. sem falar de paz, eu quero paz. não quero que me perguntem o que aconteceu: estou com preguiça de me explicar. quero um silêncio certeiro e confiante, daqueles que sabe-se o que está pensando, assim como as coisas estavam sobre controle.

a parte boa disso tudo? saber que a semana vai durar menos e que semana que vem estarei bem longe daqui.

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

i wish you love

durante uma aula nada produtiva, me peguei lendo posts antigos desse blog. palavras avulsas, pensamentos soltos, angústias guardadas e felicidades expostas. é como se em cada postagem houvesse um pedaço largado do que me aconteceu desde janeiro. e nem foram tantas coisas assim, mas foram suficientes.

mas há dias não escrevo. não sei bem por que mas sempre que tentei, o resultado foi meio estranho, como se não fosse eu. comecei a perceber certos “modismos” em relação aos meus tópicos e ás expressões usadas. bobagem ou não, tem sido como se tudo que eu escrevesse já tivesse sido escrito alguma vez. de todo jeito, tenho preferido passar meu tempo livre atrás de coisas interessantes, dignas de um post.

acho que, pela primeira vez, não me faltam boas companhias e nem motivos para tanta tranquilidade. mesmo com as confusões de sempre, as tpm’s mensais, os milhares de trabalhos e os problemas corriqueiros, está tudo bem. naquela paz que tanto me referi várias vezes como o que eu tanto desejava.

hoje, não vou reclamar e nem desabafar. quero (pra mim e para todo mundo) só um suco refrescante pela manhã, alguns beijos toda hora e a companhia dos meus amigos. isso tudo ao som de alguma coisa tranquila e dançante. ;) boa noite.

AZN7wsuV4f8hrh6lSSmN8B7Ro1_500

I wish you shelter from the storm
A cozy fire to keep you warm
And most of all
When snowflakes fall
I wish you love.

(Rachael Yamagata)

1 comentário

Arquivado em Uncategorized