Arquivo da tag: love

Para a minha mãe,

Agora o coração dói, falta ar e os olhos se inundem de água. Já são tantos anos de luta incessante, de força incondicional, de fé sem limite e de amor verdadeiro. Lembro de quando tudo começou, de me sentir um peixe fora d’água, perdida nos termos médicos, tentando entender a gravidade da noticia. Fui no Google e descobri que havia sempre uma esperança e foi aí que me apeguei: tento diariamente enxergar uma solução positiva para toda essa realidade que me da um soco no estômago. Sempre há uma forma de melhorar, mesmo quando você percebe que o melhor não é exatamente o que você queria. Aliás… O que se pode querer, frente a vê-la tão diferente do que sempre foi. Vê-la chorando, em momentos de lucidez, faz doer ainda mais. Assim como vê-la sorrindo, em momentos de igual lucidez frente a uma boa posição, uma visita ou um desejo atendido, me acalma a alma, me faz sorrir de volta. Ah, mãe! Quanto você me ensina diariamente, eternamente. Você uniu a nossa família, até nas maiores dificuldades. Você nos ensina a sermos maiores, superiores aos problemas, nos tensina a nunca deixar de lutar e quando as vezes é melhor deixar para la, sem falar que não devemos ter vergonha de sermos nos mesmos, desde que seja de verdade. Ah, mãe! Eu daria tudo para estar no seu lugar, sentir a sua dor e passar por tudo o que você passa, se pudesse te aliviar desse processo. Digo, sem dúvida, que você é a melhor mãe, mulher, esposa e menina do mundo. Você, com esses olhos verdes, esses cabelos lindos e esse jeito de ser fazem o mundo mais especial, diferente, único. Você da brilho, da cor, espalha amor por onde passa e distribui sorrisos. Aliás, mamãe, entendi por que conversar com todo mundo nas filas de banco e falar com desconhecidos nas mais diversas situações: é o seu jeitinho de espalhar encanto para as pessoas, de deixar o mundo melhor, de dar cor a vida. É egoísmo meu não querer te deixar fazer a passagem, seguir seu caminho, parar de sentir dor. É sim! Eu sei. Mas é que não consigo imaginar um dia sequer sem seu beijo, seus abraços, seu carinho, sua atenção, preocupação, conselhos e até do seu mexido, de você cantarolando as músicas fora da hora, de ficar acordada até tarde vendo luta ou filme de terror, do leite quente antes de dormir, do biscoitinho com café, do buraco, das broncas, das viagens, do seu senso de direção, da sua organização… Aí lembro que serão reveillons, almoços em família, natais, dia das mães, 12 de fevereiro, 31 de janeiro, 30 de julho, 13 de setembro, meu casamento, seus netos, minha casa, nossas viagens… Ainda temos tanto a fazer juntas! Aliás, ficamos de ir na zara olhar roupas com o cartão do papai e não conseguimos ir – eu sei, minha culpa. É cravo para espremer, é ouvir “adoro quando você da um jeito na sua vida!” e outros milhões puxões de orelha. Eu sinto que ainda ta só no começo e que, sem você, como é que vai ser possível acordar de manhã? Eu simplesmente não sei se eu consigo. Mas isso tudo, não passa mesmo de egoísmo, pois, ao te ver deitada nessa cama, descendo diariamente um degrau… Eu vejo que você não merece as coisas no ponto em que elas chegaram. Você não merece a dor, a confusão mental, a frauda, o o2, ter que depender tanto dos outros, precisar de ajuda para terminar um pensamento… Você não merece ficar sem comer as comidinhas que ama, nem ficar sem ver sua novela, ficar sem jogar o seu baralho, não merece ficar sem intimidade com seu marido e nem ficar sem conversar direito com suas amigas, muito menos sem saber de tudo o que se passa com as suas filhas. Você, uma mulher tão maravilhosa, não merece passar pelo o que você está passando. Então, te digo como quem te ama sem fim e precisa de você: vai, segue o seu caminho, para de sentir essa dor e de se preocupar. Eu prometo que jamais vou me esquecer de você e de tudo o que você me ensinou. Jamais vou desistir da nossa família unida, e de você entre nós 3. Jamais vou deixar de ficar de olho no papai e na Naty e que vou contar com eles sempre. Jamais vou deixar de ter fé que você estará sempre presente, principalmente quando estivermos nos 4 juntos. Jamais vou deixar de colocar ordem no meu quarto, na minha vida e não deixarei de correr atrás dos meus sonhos, e não deixarei ninguém me fazer de boba. Eu te amo, amo muito, amo demais. Amo sem limite e eu quero saber de você sempre bem, o melhor impossível. O que acalma o coração é saber que dentro de mim, tem você em cada pedacinho – da anisedade e de ser super conversadeira, ao batom vermelho, signo e número de sapato . E é aí, nesse momento que o coração dói, pois já sabemos o final da história.

Escrevi esse texto em uma das noites em que dormia com a minha mãe no hospital e com o coração apertado. Infelizmente, mamãe se foi alguns dias depois por motivos naturais da doença. Deixou amor, carinho, bons ensinamentos, lembrança maravilhosas e muito amor. Ainda dói – é recente, a ferida ainda está aberta. Mas a certeza é que tudo valeu a pena e que ela sempre estará entre nós.

 

10606424_10154601471170082_5153125887439235784_n

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

sobre o dia dos namorados;

já fui dessas que odiou o dia dos namorados. também já fui pedida em namoro em um dia dos namorados. já fui intensamente feliz em um dia dos namorados. já dei presente caro no dia dos namorados. já passei o dia dos namorados com a família do moço. já chorei e me afoguei no sorvete e sex and the city no dia dos namorados. já me joguei em festa de solteiros no dia dos namorados. já desejei não sair da cama no dia dos namorados. já passei o dia dos namorados jogando video-game. já viajei e tive um fim de semana de namorados inesquecível com ele. já ganhei no ping-pong no dia dos namorados. já desejei estar namorando no dia dos namorados – e já desejei não estar. já detestei um presente de dia dos namorados. já fingi que dia dos namorados não existia. já disse que dia dos namorados é coisa de gente consumista. já fiz loucuras de dia dos namorados. já tive um namoro que durou a penas o dia dos namorados. já recebi um pé na bunda no dia dos namorados. já mandei carta no dia dos namorados. já cozinhei para 30 – quando éramos a penas 2 – no dia dos namorados. já tive um dia dos namorados com amigas solteiras com direito a muito riso. já comprei chocolate de dia dos namorados e dividi com as amigas. já amei muito no dia dos namorados.

hoje é meu primeiro dia dos namorados sem namorado em três anos e a única coisa que eu quero, para mim e para todo mundo, é um pouco de paz. estou apaixonada pelo mundo, e ele me ama de volta. namoro nem sempre é bom, mas também nem sempre é ruim. namoro não é fácil, engorda e dá dor de cabeça. mas também aquece o coração, dá prazer de corpo e alma e faz sorrir por inteiro. o importante é tentar fazer as coisas da melhor forma possível, que valha a pena do começo ao fim, independente se você esteja ou não com alguém. é respeitar o seu tempo, o seu espaço.

então ó, fica aqui a minha homenagem aos casais. :) feliz dia dos namorados! tenham momentos inesquecíveis, sejam felizes e até tristes juntos, sejam um do outro intensamente e respeitem-se. que seja eterno enquanto dure e, de forma alguma, deixe alguém meter o dedo nesse amorzão todo aí. <3

aos sem namorados (as), lembrem-se da comemoração dos gringos em que a data serve para demonstrar sentimentos sinceros para amigos, familiares e amores reais. aproveite a oportunidade para dizer a um amigo o quanto ele/a é importante na sua vida, ou para dar aquele beijam na velha e, se a coisa toda é platónica, declare-se. mas não me venha com recalque para reclamar da vida, da solidão ou das declarações de amor por aí – você um dia fez ou vai fazer isso, acredite.

<3 feliz día 12 de junho.

(amo, bufasdanadas.com)

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

letting go;

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

no corredor;

em tão pouco tempo deixo-te levar-me os passos. fica o dito e não dito. fica o feito pelo desfeito. a insegurança de quem já conhece o final do filme e ele não é nem de perto alguma coisa parecida com contos de fadas. primeiro um passo para trás. depois os dois. fiquei perdida na convicção do tom de sua voz. o aperto do seu abraço. e o telefone que nunca mais tocou. é a constante pergunta que hesitamos em fazer sabendo que não haveria resposta. é o “deixa para lá” que define toda uma situação. “eu desisto! não quero mais”: o fim de uma história sem espaço para começar – e quem dirá que é tarde demais? – escolhemos o que queremos fazer com o nosso tempo e definimos as prioridades: “desculpe, não há espaço para você”. é o respiro fundo ao saber que ao menos temos a companhia de um bom e velho livro que nos toma o tempo livre e leva para bem longe as idéias confusas. “eu estou lendo Nick Hornby, o clássico High Fidelity. e você?”. aí é só mais meias palavras que tudo começa outra vez. ah… me lembro como se fosse ontem! e no fundo? e no fundo sempre terá um bom som tocando. mas o volume está alto demais para me deixar lembrar dos seus defeitos – que agora se confundem com os meus elogios.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

it may be quite simple but now that it’s done;

Comer cheddar dirigindo ao mesmo tempo; talento vermelho de avelãs no meio da tarde; alongar a vista até o ponto mais distante no horizonte; morango com açúcar; o “bom dia” das amigas no whatzapp; uma mensagem inesperada de boa noite; uma cerveja gelada após um dia longo e desanimador; jazz com cosmopolitas; um dia chuvoso entre os dias quentes; um açaí  batido com banana e morango; uma música que se encaixa exatamente no momento; uma analogia perfeita para uma situação complexa; um sorriso correspondido do outro lado da rua; bruschetta de cogumelos recém saída do forno; um pudim perfeitamente desenformado; pão de queijo quente com manteiga; uma coca-cola para um dia de ressaca; um e-mail respondido; um vinho branco com as amigas no fim de tarde de domingo; aquele filme preferido encontrado por acaso na programação da tv no momento em que você não tem nada para fazer; um pulo com muito estilo “bomba” na piscina; zerar um jogo no ps3; rir sozinha enquanto passa horas lendo 9gag; poder matar (ou piorar) a saudade no skype sem hora para dormir; uma tequila em cada bar no caminho de casa; uma surpresa provocada pelo <3 shuffle; um bom e velho rock’n roll; planos para viajar e não voltar tão cedo; tocar em uma festa cheia de pessoas bonitas e queridas; revelar um filme e sorrir naturalmente ao ver um monte de momentos que te fizeram tão bem; um abraço de duas horas que quer dizer “está tudo bem”; o cheiro de azeite esquentando na frigideira;  (…).

Ultimamente é tão simples me arrancar um sorriso que já fico me achando “fácil demais”. Acho que cansei de confusão, de desorganização e daqueles que insistem em tomar a última coca-cola da geladeira. Vou para casa, no caminho busco comida japonesa e coca-cola e logo mais volto para continuar essa lista do que me faz bem e deveria te fazer também!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Já pode comprar a prancha?

Mil idéias na cabeça e sem tempo para escrever, a gente resume;

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

sorrisos musicais;

O novo single do The Kooks já está no forno para me fazer ser feliz mais um pouco. Ouve aí!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized